Parabns!

103
29-09-2017 | 10:58

Negociao coletiva: Secretrio Nacional do Setor Pblico da NCST celebra vitria na CCJC da Cmara


Para Lineu Mazano, luta de 4 décadas se aproxima de um desfecho positivo aos trabalhadores do setor público. 
 

215
28-09-2017 | 14:24

Plano de Aes do setor de transporte acolhido pela Nova Central e CNTTT


O Secretário Nacional do Plano dos Trabalhadores em Transportes Terrestre da Nova Central, Ualaci Anjo de Souza, reuniu-se na quarta-feira (27/09), em Brasília, com o presidente da instituição, José Calixto Ramos e o presidente da CNTTT (Confedera&...

164
28-09-2017 | 11:04

Diretores da Nova Central participam do evento E-Social


Com o propósito de aprimorar as ações que visam à capacitação de dirigentes sindicais, especificadamente em relação à Previdência Pública, a Diretoria Nacional de Seguridade Social, Aposentados, Pensionistas e Idos...

164
27-09-2017 | 15:03

PGR declara procedente ao da CONTRATUH contra salo parceiro




Procuradoria-Geral da República se colocou favorável à Ação Direta de Inconstitucionalidade colocada pela Contratuh. Ação agora será julgada pelo Supremo Tribunal Federal.

138
27-09-2017 | 14:24

Mulheres vo s ruas em defesa da aposentadoria



O Fórum Nacional das Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais, tomou as ruas na terça-feira (26) para denunciar os prejuízos da reforma da Previdência Social.

Centenas de mulheres da Nova Central, CSB, CTB, CUT, Força Sindical, UGT e movimentos populares se concentraram em frente ao prédio da Superintendência do INSS para denunciar o projeto de “Contrarreforma da Previdência” do governo Temer.

Para nossa Secretária da Mulher Kátia Rodrigues, Diretora da Nova Central de São Paulo, ” A proposta da Reforma da Previdência do ilegítimo presidente Michel Temer, que está prestes a ser votada na Câmara Federal, além de destruir direitos adquiridos, pretende impor maior tempo de trabalho e de contribuição aos trabalhadores e as trabalhadoras, em especial aos setores mais precarizados no mercado de trabalho, a exemplo das mulheres e negras.” Participou também da manifestação a Diretora de Assuntos da Mulher, Maria dos Anjos Mesquita Hellmeister (conhecida como Mariazinha).



Tal reforma, caso seja aprovada pelo parlamento, prevê, ainda, a redução do valor do benefício, hoje de um salário mínimo, o que afetará de maneira irreversível a situação de milhões de pessoas que dependem do benefício após longos anos de trabalho. Com estas condições que Temer impõe as mulheres com sua dupla jornada, correm o risco de não se aposentar, já que grande parte da sua vida ativa ocorreu ou ocorre em trabalhos informais e ou sem remuneração.A proposta da Reforma da Previdência, que está prestes a ser votada na Câmara Federal, além de destruir direitos adquiridos, pretende impor maior tempo de trabalho e de contribuição aos trabalhadores e as trabalhadoras, em especial aos setores mais precarizados no mercado de trabalho, a exemplo das mulheres e negras. Segundo estimativas, 50% das atuais contribuintes nunca se aposentarão, caso o desmonte ocorra.

As mulheres distribuíram milhares de panfletos durante a tarde para esclarecer os piores aspectos da reforma.

Entre os pontos da reforma abordados, os principais destaques foram:

1. Mudança da idade mínima de 55 para 62 anos para mulheres, mais os 25 anos de contribuição. A rotatividade e interminência do trabalho, mais a informalidade fará com que a grande maioria das trabalhadoras não consiga alcançar os 25 anos de contribuição.

2. O projeto ignora o trabalho doméstico socialmente realizado por mulheres: A diferença da idade mínima entre homens e mulheres considerou a política de equidade, levando em conta a realidade de que mulheres são submetidas a muito mais horas de trabalho doméstico não-remunerado, como a manutenção da casa e educação dos filhos, por essa razão foi reconhecido o direito das mulheres a idade mínima mais baixa. O projeto fecha os olhos para essa realidade e coloca mais peso nas costas das mulheres.

3. As mulheres ganham menos! A reforma da previdência social ignora os fatos de que o Brasil ainda vive aguda discriminação salarial, as mulheres inseridas no mercado possuem renda cerca de 30% inferiores a renda dos homens, ou seja, as mulheres trabalham mais, ganham menos e terão mais dificuldades para se aposentarem com um salário digno.

4. Fim da aposentadoria especial: A reforma da previdência social, se aprovada, acabará com a aposentadoria das mulheres que vivem no campo, já que terão que trabalhar mais 7 anos, no mínimo, para atingir a idade mínima de 62 anos mais 25 de contribuição (hoje a média de contribuição é de 15 anos) .

5. Professoras e professores perderão seu direito ao regime especial: A carreira do magistério tem garantido por direito um regime especial da previdência. Hoje a idade mínima para a educação básica é de 55 anos para as mulheres e 60 para os homens e 15 anos de contribuição, caso a PEC seja aprovada, será 62 anos para as mulheres e 65 anos para os homens e 25 anos de contribuição, essa categoria terá seu direito equiparado às demais trabalhadoras e trabalhadores. Sem distinção.

6. As mulheres Jovens: A aprovação do desmonte da previdência social fará com que as mulheres contribuintes de hoje nunca consigam atingir o tempo de contribuição necessário. Tornado a aposentadoria, apenas uma ilusão.

7. As mulheres negras levam um duro golpe: Com a reforma trabalhista a regularização do trabalho doméstico levou um duro golpe, e o setor que é majoritariamente composto por mulheres negras invariavelmente sofrerá grande precarização, o que já dificultaria o acesso à aposentadoria sem a PEC 287, mas a aprovação do projeto dará conta de tornar impossível, com a precarização do trabalho das domésticas, mais os novos 25 anos de contribuição, as mulheres negras podem dizer adeus ao sonho de se aposentar. O desmonte da previdência, portanto, suporta a cultura racista do nosso país.

O ato foi reproduzido nacionalmente e o Fórum Nacional das Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais afirmou que não vai parar de lutar enquanto o projeto não for retirado da agenda do congresso.



Fonte: NCST/SP

155
27-09-2017 | 09:49

Presidente da CSPB fala sobre o Movimento Resistncia: Por um Brasil Melhor!



Acompanhe o pronunciamento do presidente da CSPB, João Domingos Gomes dos Santos, sobre o combate à reforma trabalhista e a adesão das entidades sindicais às mobilizações do Movimento Resistência: Por um Brasil Melhor!

105
26-09-2017 | 15:08

Nova Central debate reformas e a reao do movimento sindical em Campo Grande




Com a finalidade de debater temas importantes para a classe trabalhadora, aponta desafios e indicar alternativas, a diretoria estadual da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Mato Grosso do Sul vai realizar seminário no período de 28 a 29 de sete...

269
25-09-2017 | 10:23

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top